Whitney Houston morreu por uso de cocaína

A cantora foi encontrada sem vida em 11 de fevereiro em um hotel 

A cantora pop Whitney Houston morreu de afogamento acidental e de efeitos de uso de cocaína e problemas cardíacos, informou nesta quinta-feira, dia 22, o gabinete do legista de Los Angeles.

A cantora, que faleceu no mês passado na banheira de um hotel de Beverly Hills, tinha cocaína no corpo, o que contribuiu para a sua morte, destacou em um comunicado.

A situação da morte foi descrita como um “acidente”, segundo o comunicado oficial do legista, enquanto a causa foi descrita como afogamento e “efeitos de doença cardíaca aterosclerótica e uso de cocaína”. 

Ainda segundo o documento, Houston foi “encontrada submersa em uma banheira cheia de água” e foi detectada “ingestão de cocaína” em seu organismo.

“Não houve traumatismo nem há suspeita de crime”, prosseguiu o comunicado, destacando que um relatório final do Instituto Médico Legal estará disponível no prazo de duas semanas.

Outras drogas foram encontradas no corpo da cantora, mas não contribuíram para a sua morte, tais como maconha, alprazolam (Xanax), ciclobenzaprina (Flexiril) e difenidramina (Benadryl), acrescentou.

Houston foi encontrada morta em 11 de fevereiro, na véspera da entrega do Grammy, maior prêmio da indústria da música, e a algumas horas de uma festa anterior à cerimônia realizada no hotel onde ela faleceu.

Intérprete de sucesssos como “I Will Always Love You”, a cantora vendeu 170 milhões de álbuns ao longo de 30 anos de carreira, mas travou uma longa luta contra o uso de drogas e medicamentos, enquanto tentava manter vivo o talento para os palcos.